A LIFE AT ANG SERBISYO NG pinapaghirap,,pt,Batay sa teksto ng Ivo Poletto,,pt,Odair LARAWAN,,pt,Odair Firmino ay ipinanganak sa Ipameri,,pt,Goiás,,pt,ngunit ang kanyang pamilya inilipat sa Annapolis,,pt,kapag ako ay lamang ng dalawang taon,,pt,pagkatapos noon,,pt,Siya ay nanirahan sa Franciscans,,pt,Nakumpleto ang pilosopiya at teolohiya pag-aaral,,pt,Siya ay naging isang Pransiskano prayle sa,,pt,Siya nagsilbi sa mga parishes ng Pires do Rio at Jatai,,pt,dahil diyan sa Annapolis,,pt,kung saan kinuha,,pt,em1975,,ar,adireção mula sa San Francisco sa College,,pt,maaga,,pt,Odair ay naaakit sa pamamagitan ng mga halimbawa ni San Francisco de Assis,,pt,at noon ay isang tunay na Franciscan sa kanyang buhay,,pt,Siya ay nagpasya na mag-iwan ang mga Pransiskano kapisanan,,pt,at nangagaasawa Dadiva Firmino at pagbabago sa kanyang paninirahan sa Brasilia in,,pt,Siya ay nanatili bilang isang tagapagturo sa College St. Anthony,,pt

Baseado no texto de Ivo Poletto

Odair Firmino nasceu em Ipameri, Goiás, no dia 22 Hunyo 1945, mas sua família mudou-se para Anápolis, Goiás, quando tinha apenas dois anos. A partir daí, conviveu com franciscanos e franciscanas. Completados os estudos de filosofia e teologia, tornou-se frei franciscano em 1972. Atuou nas paróquias de Pires do Rio e Jataí, seguindo depois para Anápolis, onde assumiu, em1975, adireção do Colégio São Francisco até 1982. Desde cedo, Odair foi atraído pelo exemplo de São Francisco de Assis, e foi um franciscano autêntico em toda sua vida. Decidiu deixar a congregação franciscana, casando-se com Dadiva Firmino e mudando sua residência para Brasília em 1984. Manteve-se como educador no Colégio Santo Antônio, mas já no início de janeiro deste ano ingressou na Cáritas Brasileira, como Assessor Técnico. E a Cáritas foi sua casa, seu engajamento, sua paixão pelo resto da vida, uma vez que, nela, foi subsecretário, secretário nacional e duas vezes vice-presidente, encerrando o segundo mandato apenas em dezembro de 2007.

Odair chorou muitas vezes diante das situações de abandono, exploração e exclusão em que se encontravam pessoas e comunidades que assumiu e amou como seu próximo. Percebendo que o sofrimento das pessoas tinha sua causa nas injustiças, nas estruturas de pecado da sociedade brasileira e do mundo capitalista, teve fome e sede de justiça.

Seu modo de vida, sempre alegre e cheio de esperança, nunca deixando que o diabetes o levasse ao medo de enfrentar o que a vida lhe apresentava, fez dele uma pessoa mansa, pura de coração e misericordiosa. Diante da violência que sempre atinge mais duramente os empobrecidos, e especialmente os negros, os jovens e as mulheres, Odair foi um promotor da paz verdadeira. No percurso de sua vida, foi perseguido e foi sempre solidário com as irmãs e irmãos perseguidos por causa da justiça. Tudo somado, Odair foi um discípulo fiel do Mestre Jesus, não se abalando com as incompreensões, injúrias e perseguições.

O que mais caracterizou São Francisco foi seu amor incondicional pelos pobres e pela natureza. Odair foi franciscano de modo especial pelo amor aos pobres. Não fez da Cáritas um emprego, mesmo tendo vivido a partir do trabalho nela durante muitos anos. A Cáritas lhe possibilitou viver sua paixão pela libertação integral das pessoas, tendo nos excluídos e excluídas os protagonistas principais. Isto é, possibilitou-lhe viver o ideal de São Francisco de forma atualizada.

Foi essa paixão também que o manteve firme e o fez sujeito ativo em todo o processo de redefinição da missão da Cáritas nos anos 90. É a década das Semanas Sociais Brasileiras, do nascimento do Grito dos Excluídos, da renovação da Campanha da Fraternidade; é o tempo do lançamento da Campanha pela Convivência com o Semi-Árido e da Articulação do Semi-Árido, com seu Projeto de 1 Milhão de Cisternas caseiras; é o tempo do Seminário Internacional e o do Tribunal sobre a Dívida Externa, que deu início ao trabalho da Rede Jubileu Sul, responsável, no Brasil, pelos Plebiscitos populares sobre a Dívida, em 2000, e sobre a ALÇA, em 2002; é o tempo das avaliações dos Pequenos Projetos Comunitários e da consolidação da Economia Popular Solidária… A Cáritas foi se firmando como uma das forças essenciais de todos esses processos, e o Odair, um dos seus principais animadores.

Seus últimos anos foram dedicados, ao mesmo tempo, à direção da Cáritas e à Universidade Estadual de Goiás, onde foi Vice-Reitor Acadêmico e Secretário Geral. Dedicou-se com entusiasmo à formação de professores/as em todo o interior de Goiás e envolveu os educadores em processos de alfabetização. Sentia-se feliz colaborando para consolidar espaços de formação universitária que criavam oportunidades para pessoas que não teriam como deslocar-se à capital. E fazia o possível para que professores e alunos se ligassem com a realidade social, política, econômica e cultural das localidades, comprometendo-se com o enfrentamento das causas dos problemas que provocam o empobrecimento e a exclusão de tantas pessoas.

Foi sempre, mesmo na universidade, um educador aprendente, como deve ser todo discípulo de Jesus, de São Francisco e de Paulo Freire. Estava sempre aberto ao novo, às possibilidades de ação libertadora presentes nas contradições históricas. E com a qualidade já destacada acima: o espírito jovial, alegre, esperançoso, capaz de relativizar as dificuldades, capaz, por isso, de ajudar a abrir novas veredas.

Odair Firmino faleceu no dia 5 Hulyo 2008.