“Veredas Vivas” foi o projeto vencedor da primeira edição do Prêmio Odair Firmino de Solidariedade, lançado pela Cáritas Brasileira em 2010 como forma de valorizar e estimular experiências da caráter coletivo que defendam e promovam os direitos humanos.

L-10envolvimento Aġenzija,,pt,dik is-sena,,pt,Huwa ppreżentat il-proġett tal-komunità Mattew Bridge,,pt,familji li jirrappreżentaw simbolu kummerċ agrikolu ta 'reżistenza u l-ġlieda għall-preservazzjoni tal-ambjent,,pt,fil-premjijiet,,pt,flimkien trofew u ċertifikat b'rikonoxximent tal-esperjenza,,pt,-komunità qala R $,,pt,elf biex ireġġgħu lura l-proġett,,pt,illum,,pt,settembru,,pt,-komunità qed tiċċelebra,,pt,minħabba li fetaħ iċ-Ċentru ta 'Referenza Cerrado,,pt,spazju għall-grupp inġenju u l-Komunità Farmaċija Matthew Pont,,pt,Wara li rebaħ il-Premju Odair Firmino Solidarjetà,,pt,il-viżibilità proġett kiseb u r-riżorsi muniċipali inklużi wkoll,,pt,garantiti permezz tas-Segretarjat tal-Ambjent ta 'São Desitério,,pt,R $,,pt, naquele ano, apresentou o projeto da comunidade de Ponte de Mateus, localizada no município de São Desidério, interior da Bahia. A comunidade conta com 60 famílias que representam o símbolo de resistência ao agronegócio e luta pela preservação do meio ambiente. Na premiação, além de troféu e certificado como reconhecimento da experiência, a comunidade ganhou R$ 10 mil para reverter no projeto.

Hoje, dia 11 de setembro de 2013, a comunidade está em festa, pois é inaugurado o Centro de Referência do Cerrado, um espaço destinado ao grupo de artesanato e à Farmácia Comunitária de Ponte de Mateus. Após a conquista do Prêmio Odair Firmino de Solidariedade, o projeto ganhou visibilidade e contou também com recursos municipais, garantidos por meio da Secretaria do Meio Ambiente de São Desitério. Os R$ 10 mil do Prêmio Odair Firmino foram revertidos em equipamentos para o centro.

veredasvivas-caritas1O “Veredas Vivas” é conduzido em grande maioria por mulheres, que usam o capim dourado e outros matérias para produzir biojóias e artesanato, além de fazer o aproveitamento de frutas e plantas do cerrado que servem para a produção de remédios naturais.

Skond il-rappreżentant tal-10envolvimento Aġenzija,,pt,Huma diġà manifatturati mill-komunità dwar,,pt,tipi ta 'ħxejjex,,pt,jew żebgħa fost potions,,pt,ġuleppi,,pt,ormoni naturali,,pt,Jatoba u tisjir,,pt, já são fabricados pela comunidade cerca de 13 tipos de fitoterápicos, entre garrafadas ou tinturas, xaropes, hormônios naturais, jatobá e culinária.

por Thays Puzzi, assessora de Comunicação da Cáritas Brasileira | Secretariado Nacional