Estudos mostram que mais de 1 milhão de pessoas se suicidam a cada ano

O periódico especializadoem medicina Lancetpublicou uma série de três estudos que chamam a atenção para um assunto considerado tabu: o suicídio.

De acordo com um desses artigos, assinado por M R Phillips e H G Cheng, essa é a principal causa de morte entre garotas de15 a19 anos. Já entre os homens, o suicídio fica em terceiro lugar, após os acidentes de trânsito e a violência urbana.

Aqui no Brasil, estima-se que o suicídio é a terceira causa de morte entre jovens, logo atrás de acidentes e homicídios. Alexandrina Meleiro, psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP, afirma que “Antes as taxas eram maiores na terceira idade. امروز مشاهده می کنیم که,,pt,در میان جوانان,,pt,آنها افزایش نگران کننده ",,pt,برآورد شده است که در میان جوانان,,pt,نرخ چند برابر کرده است ده A2000 de1980,,pt,از,,es,پیشرفت para4,,gl,هزار نفر,,pt,مطالعه انجام شده توسط کیت Hawton نشان می دهد که نوجوانان اغلب از انجام کمک از ترس به نظرات دیگران از افکار خودکشی خود را با مدرسه گسترش,,pt,همچنین نشان می دهد تغییر دیگر در نمایه خودکشی,,pt,خطر,,pt,که همیشه در میان مردان بود,,pt,بین دختران افزایش,,pt,دکتر Howton می گوید که اثرات رسانه ها نیز مهم هستند,,pt,اما آن را فقط به نظر می رسد مربوط به زمانی که آن را تحت تاثیر یک هنرمند مشهور,,pt,او در ادامه می گوید این است که شواهد کمی از اثربخشی هر درمان روانی یا دارویی وجود دارد,,pt, entre os jovens, elas sobem assustadoramente”. Estima-se que entre os jovens, a taxa multiplicou-se por dez de1980 a2000: de 0,4 para4 acada 100 mil pessoas.

O estudo conduzido por Keith Hawton mostra que os adolescentes geralmente evitam procurar ajuda por temerem a opinião dos outros uma vez que seus pensamentos suicidas se espalham pela escola. Também indica outra mudança no perfil dos suicidas. O risco, que sempre foi maior entre homens, está aumentando entre as meninas.

O doutor Howton diz que os efeitos da mídia também são importantes, mas que o assunto só parece ter relevância quando afeta uma celebridade. Ele afirma ainda que há poucas evidências de eficácia de qualquer tratamento psicossocial ou farmacológico, existindo uma grande controvérsia sobre o resultado e a utilidade de antidepressivos.

Já Meleiro acredita que isso se deve a gestações precoces e não desejadas, além de prostituição e abuso de drogas.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que os casos de suicídio aumentaram 60% nos últimos 45 anos e que mais de 1 milhão de pessoas no mundo morrem dessa forma todo ano. Mesmo assim, o problema, não é tratado abertamente.

Para a OMS, pouco é feito na área de prevenção. Pesquisadores da Universidade de Oxford, Inglaterra e da Universidade Stirling, na Escócia, dizem que mais pesquisas são necessárias para se compreender quais são os fatores de risco e melhorar a prevenção. Uma das estratégias apontada por eles seria limitar o acesso a meios que facilitem o suicídio, como armas.

Estima-se que no Brasil, ocorram 24 suicídios por dia. Por outro lado, o número de tentativas é até 20 vezes maior que isso. “O suicídio é uma epidemia silenciosa”, acrescenta Meleiro. Ela diz que as pessoas costumam dar sinais antes de uma tentativa.

Cerca de 90% dos suicídios estão ligados a transtornos mentais.”O preconceito em torno das doenças mentais faz com que as pessoas não procurem ajuda. Acredita-se que perguntar se a pessoa tem pensamentos suicidas vai estimulá-la, mas isso pode levá-la a procurar ajuda”, diz Meleiro.

Fonte: Gospel Prime