A Cáritas Brasileira tem se destacado, a cada ano, por um trabalho exemplar e permanente na promoção da igualdade, da solidariedade e auxilio técnico e social às populações em situação de vulnerabilidade social. A Cáritas é hoje referência importante no apoio à construção da autonomia econômica, política e social de comunidades, e na promoção dos direitos humanos, baseada nos princípios da economia solidária e produção de alternativas coletivas.

O Prêmio Odair Firmino de Solidariedade é um instrumento importante na promoção e valorização dessas iniciativas. Ao premiar experiências concretas, ele dá visibilidade e ajuda a construir alternativas para a superação de problemas comuns e esforços coletivos das comunidades brasileiras, na construção do desenvolvimento solidário, ético e sustentável.

A temática desta segunda edição do Prêmio – “Mulher, Meio Ambiente e Desenvolvimento” – é uma justa e necessária homenagem às mulheres, pois são as que mais preservam e cuidam do meio ambiente, de onde recolhem seu sustento não só econômico, uma vez que sua relação com a natureza produz também cultura e afirmação de identidade.

Esse importante tema está em sintonia com a 3ª Conferência Nacional e Políticas para as Mulheres, cujo eixo é a Construção da Igualdade de Gênero, na Perspectiva do Fortalecimento da Autonomia Econômica, Social, Cultural e Política das Mulheres. Nossa Conferência, que está em plena marcha e já mobilizou mais de 150 mil mulheres, vai receber em Brasília mais de três mil representantes de todas as regiões do país, no período de12 a15 de dezembro em Brasília.

O século das mulheres

A 3ª Conferência Nacional de Políticas para Mulheres já é um marco na história da luta das mulheres brasileiras. Esta 3ª Conferência faz parte de um processo de transformações que se acelerou no Brasil a partir de 2003, quando foi criada a Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Em seu pronunciamento histórico na ONU, no dia 21 de setembro deste ano, quando pela primeira vez uma mulher abriu os debates na Assembleia das Nações Unidas, a presidenta Dilma Roussef afirmou: “Divido esta emoção com mais da metade dos seres humanos deste Planeta que, como eu, nasceram mulher e que, com tenacidade, estão ocupando o lugar que merecem no mundo. Tenho certeza, senhoras e senhores, de que este será o século das mulheres”.

por Iriny Lopes

Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres

Presidenta do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher